Alma M. Rodríguez

Apaixonada por desafios.
Casada há 11 anos com um empresário cuja paixão é ajudar a construir um mundo melhor. Mãe de três filhos: duas filhas, Luciana, 7 anos e Emília, 5 anos e um filho Álvaro, 1,5 anos de idade. Profissão: Advogada – formada em Direito Empresarial e Direito Tributário pela Universidade de Monterrey (UDEM). Primeira mulher presidente da Associação Nacional de Advogados de Empresas (ANADE).
Diretora jurídica e chefe de vários departamentos jurídicos de grupos empresariais.
Com seu marido, ela faz parte da União de Famílias no México.

Que experiências a formaram como mulher ?

A experiência de ser filha da minha Mãe e do meu Pai. Um grande contraste e excelente combinação para o meu ponto de vista (agora já maduro). Fui educada por uma mãe sumamente severa, exigente, perfecionista, preocupada e clarividente, que me ensinou a gostar de servir em geral, mas também a servir o meu pai e o meu irmão (os homens da casa). Ela ensinou-me todo o trabalho doméstico de uma maneira que eu era considerada como “Cinderela” por algumas das minhas amigas de infância, mas também me ensinou a conhecer a Deus e a amar Nossa Senhora. Graças a ela, a vida faz-se-me mais fácil do que para muitos, quero dizer que “me viro bem” com a parte dura da vida. O meu Pai, ao contrário, era muito condescendente, fez-me sentir sempre a filha “mais especial”, sempre foi muito cavalheiro para comigo e seus olhos brilham quando me vê; daí vem a minha segurança e auto-estima para depois crescer e com conhecimento e experiência desenvolver os meus próprios critérios de feminilidade em sua definição correta, um feminilidade sadia para a convivência humana, respeitando nossa natureza, sadia para nós próprias como mulheres e que aumenta no mundo esta consciência. E é claro que não podem faltar os meus muitos obstáculos vencidos ao escalar.

E é claro que, nas experiências marcantes como Mulher, os muitos obstáculos que encontrei ao subir a escada da minha carreira não devem faltar num mundo que nos querem fazer crer equitativo, mas ainda não o é e muito menos no México.. Neste caminho não posso deixar de mencionar 4 homens, geralmente meus chefes, que conheci ao longo do caminho e que acreditaram em mim, em meu potencial e que pensaram diferente dos outros a respeito de dar a uma mulher um cargo de chefia em temas jurídicos de grupos grandes de empresas.

Em que pontos da sua vida experimentou Deus?

Deus faz parte da minha vida desde que tenho memória.
Sempre esteve presente, enviando-me sinais, e eu sempre estive atenta para vê-los em tudo. Desde muito jovem, eu tinha uma intuição muito focada em Suas mensagens. Aos 8 anos, no pior momento de minha vida, a oração e o Seu abrigo me ajudaram a lidar com a doença da minha mãe, acompanhando-me no meu crescimento, com muita ausência por um lado e muitas exigências ao mesmo tempo. Com a mesma idade, num sonho, vi a mais bela imagem de Jesus e senti-a como um chamamento para conhecê-Lo e tornar-me mais semelhante a Ele. Em cada problema que me ocorria, a primeira coisa que eu fazia era rezar e depois agir, isso era algo muito natural para mim e não me lembro quando o aprendi. Mas funcionou sempre, pelo menos desenvolvendo em mim uma grande confiança n’Ele.  Durante o meu percurso profissional, quando me tornei Diretora Jurídica de uma empresa transnacional (meu sonho profissional a realizar quando iniciei meus estudos), houve muitos momentos em que tudo me dizia que eu tinha que desistir, mas especialmente uma das situações mais fortes foi a de assédio sexual, tornou-se algo muito belo. Obviamente renunciei e estava tão triste, pensando que a minha inteligência não era suficiente, que talvez já não pudesse continuar a minha carreira porque não era boa advogada ou pela minha própria insegurancça,etc. . Essa situação marcou-me para sempre, graças a Deus de uma forma positiva, melhor dito, da forma mais bela que alguém pudesse aspirar a viver alguma vez na sua vida;  por mais louco que pareça, recebi uma mensagem de um ente querido: estávamos falando de como ele estava preocupado com minha tristeza e agora por causa do que havia acontecido tivesse perdido os meus sonhos e o brilho da minha personalidade. E no meio da nossa conversa algo aconteceu! A voz do meu amigo mudou-se totalmente para uma voz grave mas muito doce. Respondeu a 3 perguntas que eu só fazia a Deus em minhas orações e que eu não tinha comentado com ninguém, absolutamente ninguém, inclusive porque uma destas perguntas era um pouco infantil para compartilhar, porém era sumamente importante para nossa relação, me dizze: “se queres meu consentimento, segue adianteporque tenho grandes planos para ti, deixa de tristeza” (booom!!) terminou a conversa e meu amigo saiu correndo, eu o segui por quatro quadras até que cheguei a sua casa. A porta estava aberta, ele ao telefone com sua mãe dizia muito assustado:  “Não  era eu! Não era eu!” Foi aí que acabei por entender o que se tinha passado e foi a confirmação mais bela: saber que sempre que eu O sentia desde pequena, não era imaginação minha, Ele tinha estado sempre aí.

Qual é o desafio que vê para as mulheres de hoje?

Do meu ponto de vista pessoal, o desafio da mulher hoje em dia chama-se : Confusão na sua identidade e valor. Hoje em dia, algumas mulheres “modernas” querem o poder e /ou a igualdade a fim de promover os seus próprios (e estreitos) direitos a uma igualdade ou, ainda pior, a  satisfazer o seu ego e/ou o seu capricho pessoal, bombardeadas por uma deia equivocada de feminismo, do significado de êxito e de uma ideia negativa sobre o que signifiva ser mulher em plenitude em qualquer âmbito em que deseje desenvolver-se, tornando-se incapaz de perceber a dimensão divina da sua missão e verdadeiro poder no mundo.Uma falta de transmissão de sabedoria entre gerações, o pouco tempo que agora a vida te dá para meditar a partir do coração e não do ego, mais o bomabrdeio constante através da indústria de markting que desvaloriza a mulher, confundindo e marcando estereotipos que são manipulados por interesses económicos e políticos do que é ser uma mulher com êxito e competente.

É fácil esquecermo-nos do nosso verdadeiro poder e o lugar onde radica, sim, claro, o poder da própria beleza interna e externa, delicadeza e autenticidade diante do homem, na sua diferenciação natural com ele, que assegura uma complementariedade tão necessária para o equilíbrio da humanidade, confundindo igualdade com equidade, mas sobretudo esquecendo o seu poder nato mais elevado, o poder do amor. A mulher é a representante mais idónea para personificar o poder mais forte de todos: o amor puro e incondicional, ela, que nasce com ele no seu ADN, com a sua capacidade heróica de criar vida, cada vez está menos consciente (porque assim a fazem crer cada vez mais)do poder de conseguir entrar num lugar e com a sua presença iluminar, mudar o estado de ânimo do lugar inteiro, que é capaz de, com o seu odor natural perfumar, com uma carícia dar alívio, ter nas suas mãos este poder que , estando em seu justo lugar, é pacificador do mundo.    

Que deseja mudar neste mundo através da sua vida?

Desejo tornar consciente e ser exemplo de como tudo que desejas se pode alcançar sempre, estando na mão de Deus e da Virgem, Sua Mãe, como aliada.